ISO 45001 gestão riscos

ISO 45001, Modernização da Legislação de SST e Gestão de Riscos

Design by Freepik

INTRODUÇÃO

Dados da OIT referenciados pela ISO na revista de lançamento da ISO 45001, referentes a 2017, dão conta de 2,78 milhões de acidentes ocupacionais fatais por ano (uma morte a cada 15 segundos), além de 374 milhões de lesões/doenças ocupacionais não fatais por ano (153 pessoas lesionadas a cada 15 segundos). A ONU estimou que o custo total direto e indireto destas lesões e mortes foi de cerca de 4% do PIB (cerca de U$ 3 trilhões), e o impacto econômico da falha em investir na saúde e segurança ocupacional – SSO é quase igual ao PIB conjunto dos 130 países mais pobres!!!
O mundo do trabalho demanda controles mais eficientes, para reduzir estes números negativos. Passamos atualmente por mudanças importantes na gestão de SSO no Brasil. Percebemos a evolução da demanda de implementação da ISO 45001, após quase metade do prazo de transição da OHSAS 18001. Além disso, a tradição da legislação paternalista, complexa, extremamente detalhada, está sendo questionada pelo governo federal na área trabalhista e de SSO, com proposta de modernização em andamento. Estas situações estão conectadas à tendência internacional de evolução da gestão de riscos, em alinhamento à referência mundial ISO 31000.

Vamos aos fatos!

A ISO 45001

A norma ISO 45001:2018 – Sistemas de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional – Requisitos com guia para uso, aprovada em 12 de março de 2018, está sendo de grande interesse pelas organizações que já tinham a OHSAS 18001, mas também por outras que não a haviam adotado (como verificado pelas demandas captadas de serviços).
A nova norma, objeto de discussão de representantes de mais de 70 países (o Brasil não participou) durante 5 anos, provê um conjunto de processos para prevenir riscos ocupacionais, reduzir acidentes/lesões/doenças e melhorar a SSO em cadeias de suprimentos globais.
A norma ISO 45001 substituirá a OHSAS 18001 em março de 2021. A OHSAS 18001 foi elaborada na década de 90 diante da lacuna de uma norma ISO, e foi adotada internacionalmente por mais de 90 mil organizações (fonte: Comêxito).

MUDANÇAS DA NORMA ISO 45001

A nova norma tem os mesmos elementos comuns das normas de sistemas de gestão da ISO (p.ex. ISO 9001 e ISO 14001), o que facilita a integração de sistemas.
Com relação ao modelo da OHSAS 18001, as principais novidades da norma são:

  • remodelação do PDCA da norma, em linha com as demais normas de Sistemas de Gestão;
  • abordagem baseada em processos, não mais necessariamente em procedimentos;
  • abordagem de riscos e oportunidades no sistema de gestão como um todo;
  • maior ênfase na liderança e no contexto estratégico da organização, bem como na determinação das necessidades e expectativas das partes interessadas;
  • fortalecimento do processo de participação e consulta dos trabalhadores;
  • fortalecimento dos requisitos de gestão de mudanças;
  • reforço da hierarquia de controles, estimulando a mais preventiva;
  • maior ênfase na gestão de contratados, terceiros/processos terceirizados e aquisição de bens e serviços;
  • mudança de ênfase do monitoramento e medição para a avaliação de desempenho de SSO, incluindo a avaliação da conformidade com os requisitos legais e outros;
  • reforço do processo de análise crítica pela Alta Direção e melhoria contínua.

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DA ADOÇÃO DA ISO 45001

redução de riscos ocupacionais.
redução de acidentes/doenças de lesões.
melhoria do desempenho em SSO.
melhoria da habilidade em responder a questões de conformidade legal.
redução do custo total de incidentes e de prêmios de seguro;
contribuição para a melhoria do clima organizacional e moral, bem como para a redução do absenteísmo e da rotatividade.
reconhecimento pelo atendimento a um padrão internacional de SSO.
contribuição para a melhoria da imagem e reputação da organização.

MODERNIZACAO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE SSO

Em tempos de guinada de rumos do Brasil, está em andamento uma revisão da legislação de SSO, com o objetivo declarado de “melhorar o ambiente de negócios por meio da simplificação, desburocratização e consolidação de toda a legislação infralegal trabalhista, ampliando a transparência, a segurança jurídica, corrigindo excessos da atuação estatal”. A meta de prazo é até novembro/2019. (fonte: Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia).

A modernização compreende:

1ª etapa: consolidação de 158 decretos em 4 textos (concluído).
2ª etapa: consolidação de 600 portarias.
3ª etapa: consolidação de Instruções Normativas, Notas Técnicas e manuais.

O diagnóstico feito pelo governo federal em relação às Normas Regulamentadoras – NRs de SSO concluiu:

  • Burocrático e pouco eficiente.
  • Desarticulado entre si e dos padrões internacionais.
  • Desarmônico: conflitos entre normativos trabalhistas e previdenciários.
  • Fomenta a judicialização.
  • Elevado custo de implementação para as empresas, sem que isso necessariamente se reflita na redução de acidentes e gastos previdenciários.
  • Algumas NRs possuem elevado caráter subjetivo, gerando insegurança.
  • Jurídica (p.ex. NR12 Máquinas e Equipamentos / NR3 Embargo e Interdição).

Segundo o Governo, o processo de revisão sistêmica será feito em ambiente tripartite, sob o tripé de simplificação, desburocratização e harmonização, sem deixar de garantir a necessária segurança e saúde do trabalhador, visando:

Reduzir a quantidade de acidentes e doenças ocupacionais.
Alcançar um sistema normativo íntegro, harmônico, moderno e com conceitos claros.
Garantir proteção e segurança jurídica para todos.
Reduzir o “custo Brasil”.
Favorecer a geração de emprego e renda.

O processo de revisão já foi iniciado com as 3 NRs abaixo:

NR1 Disposições Gerais (alteração):

  • Modernização dos regramentos relacionados a capacitação
  • Tratamento diferenciado para MEI, ME e EPP, atingindo cerca de 70% desse conjunto de empresas

IMPACTO: R$ 25 bilhões com a nova NR1 em 10 anos. Dos quais R$ 15 bilhões com as mudanças para micro e pequenas empresas.

NR2 Inspeção Prévia (revogação):

Redução da burocracia.

NR12 Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos (alteração):

  • alinhamento do País com as normas técnicas nacionais e internacionais
  • Flexibilização da aplicação com mais opções técnicas
  • Diferenciação de máquinas novas e usadas para alguns requisitos,
  • Respeito às características construtivas
  • Incorporação de itens que garantem mais segurança jurídica
  • Indústria 4.0 e robótica

IMPACTO: R$ 43 bilhões e aumento da produção industrial entre 0,5 e 1%.

Foi proposto o cronograma a seguir para as revisões das NRs: 

Cronograma das NRs

EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE RISCOS

Percebemos uma tendência internacional de crescimento da gestão baseada em risco nas diversas disciplinas, ambientes, organizações e países. Normas como a ISO 31000 ou o COSO (ambas atualizadas em 2018) estão se estabelecendo como referências internacionais relevantes. A ISO adotou a abordagem e a mentalidade de riscos em todas as suas normas de sistemas de gestão (como a ISO 9001, a ISO 45001, etc.), sendo a ISO 31000 e seus desdobramentos/complementos referências metodológicas para a implementação da gestão empresarial.

Essa gestão baseada em riscos procura o ponto ótimo de controles (nem exagerar para menos nem para mais), buscando o balanço entre a proteção desejada e os custos envolvidos.

Neste sentido, a ISO 45001 tem esta abordagem, mas também a legislação deveria buscar se alinhar mais a esta abordagem. Alguns pontos chave da modernização legal pretendida no Brasil são a simplificação, a gestão de riscos e a menor intervenção do Estado.

Por exemplo, há muito detalhamento técnico genérico, excessivamente prescritivo, não totalmente fundamentados em avaliações de riscos.

CONCLUSÃO

A legislação de saúde ocupacional e segurança tem contribuído significativamente para a redução de acidentes e doenças ocupacionais, mas pode e deve ser otimizada. A gestão de saúde ocupacional e segurança, baseada em sistemas de gestão (como a OHSAS 18001 e a ISO 45001) e na gestão de riscos, mostra-se um avanço adicional à legislação, integrando a gestão de SSO ao negócio da empresa, desde a Alta Direção.

Desde que mantidas proteções adequadas aos trabalhadores, a simplificação e modernização feita de forma inteligente é muito bem-vinda. Também são muito bem-vindos novos instrumentos de autogestão para as organizações, como a ISO 45001, que façam avançar a gestão de SST e buscar a tão desejada prevenção no ponto ótimo de proteção e custos.

Devemos participar e acompanhar, para garantir que as mudanças tragam evolução, sejam efetivas e reduzam acidentes e doenças ocupacionais!

Michel Epelbaum – Diretor da Ellux Consultoria

Consulte nossos serviços de ConsultoriaTreinamento e Auditoria em Sistemas de Gestão, inclusive nas Normas  ISO 45001 , ISO 14001 e ISO 9001.

Saiba mais em nossos posts relacionados!

PUBLICADA A ISO 45001 – NOVA NORMA DE SAÚDE E SEGURANÇA

ISO 45001 publicada

OS PASSOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO/CERTIFICAÇÃO DA ISO 45001 E O FIM DA OHSAS 18001

ISO 45001 certificação

PARA ENTENDER POR QUE A ISO 45001 DEMOROU 20 ANOS!

Norma ISO 45001

APROVADA A ISO 45001 – SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA!!!

ISO 45001

Gostou? Compartilhe este post!

3 Comments

  1. Pingback: Publicada a Nova Norma de Saúde e Segurança - ISO 45001

  2. Pingback: Implementação e Certificação da ISO 45001

  3. Pingback: Para entender por que a ISO 45001 demorou 20 anos! – Ellux Consultoria

Leave Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ellux Consultoria - há mais de 20 anos trazendo soluções em Gestão da Sustentabilidade, Qualidade e Riscos.

Oferecemos auditorias, consultoria, treinamentos e gamificações em Sistemas de Gestão com base nas Normas ISO 14001, ISO 9001, ISO 45001, ISO 26000, NBR 16001, SA 8000, ISO 50001, ISO 31000, ISO 37001, ISO 19600, NBR 19601, DSC 10000, PRÓ ÉTICA e outros modelos.